Posts Tagged ‘cidadania’

Dependência ou morte!

Há 189 anos o Brasil se declarava independente política e economicamente de Portugal. Sabemos que ao longo de todos estes anos a história sofreu modificações. Não nos tornamos tão independentes assim e os fatos não foram tão glamurosos quanto retratam os quadros.

Da mesma forma, esta independência não conseguiu evitar males, como a grande desigualdade social ainda existente no país, pois o mesmo Brasil de grandes universidades ainda abriga diversos analfabetos, e muitos analfabetos funcionais; a precária rede de saúde pública; a corrupção política e não-política; entre outras características.

Há um grito que é mais eficiente do que o “Independência ou morte!”. Quando nos entregamos a Deus, berramos: “Dependência ou morte!”.

A dependência a Deus nos faz mais fortes e desperta sentimentos bons, como o amor, o respeito, a amizade, o companheirismo… que possamos manter-nos integralmente sujeito a Cristo!

Siglas – Luis Fernando Veríssimo

SIGLAS
Luís Fernando Veríssimo

– Bota aí: “P”
– “P”?
– De “Partido”.
– Ah.
– Nossa proposta qual é? De união, certo? Acho que a palavra “União” deve constar do nome.
– Certo. Partido de União…
– Mobilizadora!
– Boa! Dá a ideia de ação, de congraçamento dinâmico. Partido da União Mobilizadora. Como é que fica a sigla?
– PUM.
– Não sei não…
– É. Vamos tentar outro. Deixa ver. “P”…
– “P” é tranquilo.
– Acho que “Social” tem que constar.
– Claro. Partido Social…
– Trabalhista?
– Fica PST. Não dá.
– É. Iam acabar nos chamando de “Ei, você”.
– E mesmo “trabalhista”, não sei. Alguém aqui é trabalhista?
– Isso é o de menos. Vamos ver. “P”…
– Quem sabe a gente esquece o “P”?
– É. O “P” atrapalha. Bota “A”, de Aliança. Aliança Inovadora…
– AI.
– Que foi?
– Não. A sigla. Fica AI.
– Espera. Eu ainda não terminei. Aliança Inovadora… de Arregimentação Institucional.
– AIAI… Sei não.
– É. Pode ser mal interpretado.
– Vanguarda Conservadora?
– Você enlouqueceu? Fica VC.
– Aliança Republicana de Renovação do Estado.
– ARRE!
– O quê?
– Calma.
– Espera aí, pessoal. Quem sabe a gente define a posição ideológica do partido antes de pensar na sigla? Qual é, exatamente, a nossa posição?
– Bom, eu diria que estamos entre a centro-esquerda e a centro-direita.
– Então é no centro.
– Também não vamos ser radicais…
– Nós somos a favor da reforma agrária?
– Somos, desde que não toquem na terra.
– Aceitaremos qualquer coalizão partidária para impedir a propagação do comunismo no Brasil.
– Inclusive com o PCB e o PC do B?
– Claro.
– Não devemos ter medo de acordos e alianças. Afinal, um partido faz pactos políticos por uma razão mais alta.
– Exato. A de chegar ao poder e esquecer os pactos que fez.
– Partido Ecumênico Republicano Unido.
– PERU?
– Movimento Institucionalista Alerta e Unido.
– MIAU?
– Que tal KIM?
– O que significa?
– Nada, eu só acho o nome bonito.
– MUMU. Movimento Ufanista Mobilização e União.
– MMM… Movimento Moderador Monarquista.
– Mas nós somos republicanos.
– Eu sei. Mas por uma boa sigla a gente muda.
– TCHAU.
– Hum, boa. Trabalho e Capital em Harmonia com Amor e União?
– Não, é tchau mesmo.
– Aonde é que você vai?
– Abrir uma dissidência.

Luis Fernando Veríssimo

PL122 – A criminalização da homofobia (?!) – Debate

Durante toda a história da humanidade, sempre houve comportamentos e práticas homossexuais. Na Bíblia, o primeiro relato ocorre quando Ló vai às cidades de Sodoma e Gomorra. Os atos pecaminosos eram tão agressivos que Deus decidiu eliminar estas cidades. Dois anjos foram enviados e os homens da região foram atraídos pela sua beleza e queriam manter práticas homossexuais com eles.

No período da lei, o homossexualismo era veementemente abominado:

Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação. […] Pois qualquer que cometer alguma dessas abominações, sim, aqueles que as cometerem serão extirpados do Seu povo. Portanto guardareis o Meu mandamento, de modo que não caiais em nenhum desses abomináveis costumes que antes de vós foram seguidos, e para que não vos contamineis com eles. Eu sou o Senhor vosso Deus.” Levítico 18.22,29,30

O tema volta a ser discutido em diversos textos bíblicos, inclusive com o apóstolo Paulo:

“Pelo que Deus os entregou a paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza; semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para como os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro.” Romanos 1.26,27

Um projeto de lei federal foi apresentado pela então deputada Iara Bernardi em 2006 sob o número 122, cujo objetivo é criminalizar a homofibia. A PL 122 é criticada por muitos por criminalizar a crítica e não a discriminação.

Veja os comentários de alguns artigos deste PL publicados pelos que discordam do texto.

  • Artigo 1º: Serão punidos na forma desta lei os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual, identidade de gêneros.
    • Comentário: Eles tentam se escorar na questão de raça e religião para se beneficiar. O perigo do artigo 1º é a livre orientação sexual. Esta é a primeira porta para a pedofilia. É bom ressaltar que o homossexualismo é comportamental, ninguém nasce homossexual; este é um comportamento como tantos outros do ser humano.
  • Artigo 4º: Praticar o empregador, ou seu preposto, atos de dispensa direta ou indireta. Pena: reclusão de 2 a 5 anos.
    • Comentário: Não serão os pais que vão determinar a educação dos filhos — porque se os pais descobrirem que a babá dos seus filhos é homossexual, e eles não quiserem que seus filhos sejam orientados por um homossexual, poderão ir para a cadeia.
  • Artigo 8º-A: Impedir ou restringir a expressão e a manifestação de afetividade em locais públicos ou privados abertos ao público, em virtude das características previstas no artigo 1º desta lei. Pena: reclusão de dois a cinco anos.
    • Comentário: Isto significa dizer que se um pastor, ou padre, ou diretor de escola — que por questões de princípios — não queira que no pátio da igreja, ou escola haja manifestações de afetividade, irão para a cadeia. Além disso, aqui fica decretado que TODOS gays são competentes. Como definir incompetência e homofobia? É como se não existissem as leis trabalhistas.
  • Artigo 8º-B: Proibir a livre expressão e manifestação de afetividade do cidadão homossexual, bissexual ou transgênero, sendo estas expressões e manifestações permitidas aos demais cidadãos ou cidadãs. Pena: reclusão de dois a cinco anos.
    • Comentário: O princípio do comentário é o mesmo que o do anterior, com um agravante: a preferência agora é dos homossexuais; nós, míseros heterossexuais, podemos também ter direito à livre expressão, depois que é garantida aos homossexuais. O parágrafo do artigo que vamos comentar a seguir “constituiu efeito de condenação”.
  • Artigo 16º, parágrafo 5ª: O disposto neste artigo envolve a prática de qualquer tipo de ação violenta, constrangedora, intimidatória ou vexatória, de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica.
    • Comentário: Aqui está o ápice do absurdo: o que é ação constrangedora, intimidatória, de ordem moral, ética, filosófica e psicológica? Com este parágrafo a Bíblia vira um livro homofóbico, pois qualquer homossexual poderá reivindicar que se sente constrangido, intimidado pelos capítulos da Bíblia que condenam a prática homossexual. É a ditadura da minoria querendo colocar a mordaça na maioria. O Brasil é formado por 90% de cristãos. Não queremos impedir ou cercear ninguém que tenha a prática homossexual, mas não pode haver lei que impeça a liberdade de expressão e religiosa que são garantidas no Artigo 5º da Constituição brasileira. Para qualquer violência que se cometa contra o homossexual está prevista, em lei, reparação a ele; bem como assim está para os heterossexuais. A PL-122 não tem nada a ver com a defesa do homossexual, mas, sim, querer criminalizar os contrários à prática homossexual — e fazem isso escorados na questão do racismo e da religião.

E aí? Qual a sua opinião?

Fonte: http://www.vitoriaemcristo.org/_gutenweb/_site/hotsite/PL-122/

Para refletir: saúde pública

18/05: Dia nacional de combate ao abuso e à exploração de crianças e adolescentes

A data de 18 de maio foi estabelecida em 2000, pela Lei Federal nº 9.970, como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Tem como objetivo mobilizar a sociedade para o problema da violência sexual infanto-juvenil. A participação da população é fundamental para que este crime seja denunciado e punido, mas principalmente para que o jovem tenha sua sexualidade respeitada.

Saiba como denunciar no site da ABRAPIA: http://www.abrapia.org.br ou ligue para 0800 990500.

Como surgiu o 18 de maio
A data foi escolhida porque em 18 de maio de 1973 em Vitória-ES um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o “Crime Aracelli”. Esse era o nome de uma menina de apenas 08 anos de idade que foi raptada, drogada, violentada, morta e carbonizada por jovens de classe média alta daquela cidade. Esse crime, apesar de sua natureza hedionda prescreveu impune. O crime ainda causa indignação e revolta. Para lembramos sempre o Caso Aracelli, o dia 18 de maio foi estabelecido como Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, pela Lei no. 9.970, de 17 de maio de 2000, por iniciativa da então deputada Rita Camata (PMDB/ES), presidente da Frente Parlamentar pela Criança e Adolescente do Congresso Nacional.

A data foi criada para motivar a mobilização dos diferentes setores da sociedade, dos governos e da mídia para formação de uma forte opinião pública contra a violência sexual de criança e adolescente. Espera-se também estimular e encorajar as pessoas a denunciarem/revelarem situações de violência sexual, bem como criar possibilidades e incentivos para implantação e implementação de ações de políticas públicas capazes de fazer o enfrentamento do problema.

Fonte: http://www.ipas.org.br/

Para refletir: Corrupção nossa de cada dia

Violência na escola

Educação é um conjunto de normas pedagógicas tendentes ao desenvolvimento geral do corpo e do espírito. É instrução, polidez, cortesia. Adicionaria aqui a cidadania.

Este nunca foi o tema preferido dos governantes brasileiros. Atualmente, a grande maioria da população brasileira é analfabeta funcional. Consegue apenas escrever seu nome e ler textos simples, mas com pouca compreensão. Isto sem falar nas enormes dificuldades em problemas matemáticos.

Além dos problemas pedagógicos, o Brasil sofre uma crise de segurança nas escolas. A violência, que até pouco tempo se limitava ao portão dela, entrou nas salas de aula. Traficantes, homicidas, estupradores e agressores ditam as normas, coagem professores e diretores e se aproveitam de colegas.

Violencia Escola

Na verdade, a escola é o retrato da sociedade. Com baixas oportunidades à população, perda de foco da educação (como baixos investimentos, desvalorização do educador, etc.), crise na cidadania brasileira, entre outros fatores; este cenário era inevitável.

A solução do problema não passa pelo foco exclusivo no desarmamento dos jovens na escola, revistas por policiais ou portas com detector de metais.

Violencia_escola2

A solução do problema passa, sim, pela revisão das leis que regem a educação e das que regem as crianças e jovens infratores. Passa pelo foco na educação básica, além do ensino superior.

Enfim, são necessárias políticas públicas de educação, que envolvam todas as esferas do poder executivo brasileiro que, a despeito de partidos ou ideologias políticas, devem se unir para garantir um futuro socialmente sustentável ao Brasil.

“Quando a criança e o adolescente se tornam uma ameaça, é sinal de que esta sociedade atravessa uma profunda decadência” (CESARE De La ROCA).

E você, qual sua opinião sobre a educação brasileira? Tem algum caso curioso ou de sucesso para compartilhar?

Comente!

%d blogueiros gostam disto: